DICAS & CURIOSIDADES

A TERAPIA DA NATUREZA

Sabe aquela sensação de prazer e alegria que você sente quando está em contato com a natureza? Pois é, achávamos que era apenas porque estávamos na boa, passeando; mas pode ser que não seja apenas isso!

vaccaePesquisas recentes mostram que existe uma bactéria, a mycobacterium vaccae, ou m. vaccae, ocorrendo só na natureza e é chamada por alguns de “prozac natural”, que quando naturalmente aspirada dá essa sensação de calma que estamos falando.

Pesquisa realizada nos EUA comprovaram que ratos de laboratório, que quando inoculados com a m. vaccae, aumentam os níveis de seratonina, que é um neurotransmissor, reduzindo o stress; houve melhora a cognição, fazendo com que esses ratos passassem duas vezes mais rápido pelo labirinto, ou seja,  tornando-os mais espertos! O efeito da m. vaccae não foi mais tão perceptível nos ratos após 5 semanas.

TRILHANo Japão já existem tratamentos do tipo Terapia Florestal, no qual os pacientes são mantidos em contato direto com a natureza, beneficiando-se do poder não só da m. vaccae, mas também de outros efeitos positivos, como ar, a visão lúdica da mata, os animais e tantas coisas mais. São particularmente eficientes no tratamento da depressão que aflige principalmente os habitantes dos centros urbanos.

Seu nome vem do latim vacca, pois foi inicialmente encontrada na Áustria em, acredite, esterco de vaca! Portanto, mães e pais urbanos e neuróticos com limpeza: deixem seus filhos brincarem na terra e até um cocozinho de vaca vai fazer bem!

Brincadeira à parte, para termos ideia da sua importância, a m. vaccae vem sendo pesquisada para produção de vacinas para diversas doenças, incluindo imunoterapia para asma, psoríase, eczemas, tuberculose, hanseníase, câncer etc.  Quem quiser se aprofundar mais no que a natureza pode fazer pela nossa saúde, leia “O Princípio da Natureza”, de Richard Louv (Ed. Cultrix); a Wikipédia (em inglês) traz também um texto sucinto e bem referenciado sobre o tema. Bons passeios!


INSTITUTO INHOTIM – BRUMADINHO /MG


Abrindo um parêntese para falar sobre arte, porém não menos ligada à natureza, uma visita ao Instituto Inhotim, em Brumadinho/MG é uma surpreendente interligação de jardins e paisagens botânicas com as obras de arte contemporânea.

Em cada instalação é uma surpresa para nossos sentidos. Não precisa ser um conhecedor de arte, basta deixar todos os sentidos livres para se ter surpresas, decepções, medos, alegrias, dívidas…tudo muito instigante. Percorrer os jardins com uma rica flora paisagística, ouvido o som dos pássaros (o soldadinho nos acompanhou boa parte do passeio), se surpreender com a instalação de Adriana Varejão, com a laje de sua galeria repleta de azulejos com pinturas de vários pássaros brasileiros, ouvir o som da terra a uma profundidade de 200m na instalação de Doug Aitken e muitos outros momentos que devem ser descobertos por si só.

Indico que tenham o menos informação antecipada possível e deixe a curiosidade de lado, para poder se surpreender a cada ponto de visitação. Um passeio imperdível!


FLORES DO CERRADO

As flores do Cerrado são sempre muito coloridas, contrastando com os tons de verde das folhas e o marrom do solo. De longe, em toda sua paisagem podem ser admiradas pelas suas cores e formatos atraentes. No álbum de fotos Flores do Cerrado algumas delas podem ser observadas. Impressiona quando se passa por uma área que sofre com queimadas e a rapidez com que se recupera; e as flores são as primeiras que se destacam.

 

 

 


MONUMENTO NATURAL DOS PONTÕES CAPIXABAS – ES

IMG_5337 (1024x683)

Continuando nosso roteiro pelo Espírito Santo, saindo da Reserva da Vale próximo a Linhares e percorrendo aproximadamente 165km na direção oeste do estado do Espírito Santo, encontramos mais uma relíquia da natureza: o Monumento Natural dos Pontões Capixabas, no município de Pancas. Um conjunto de vários incelbergs (morros no formato de “Pão de Açúcar”) parecem brotar do solo, conferindo á paisagem uma beleza singular.

O paisagista Burle Max, nas década de 50, considerou esta região como o lugar mais belo do mundo, com uma série de pegmatitos com mais de 500m de altura. A região é um notável agrupamento de maciços de granada-biotita granito, moldadas por processos intempéricos e erosivos, de grande apeloênico para a geologia e geomorfologia (Ferreira ET AL, GREGEM/DEGEM/UFES). Estes pontões formam vales fluviais alongados e encaixados, com relevo bastante abrupto, que criam condições peculiares para a floresta, em função de sombreamento, profundidade variável do solo e disponibilidade de água.
Esta formação tão interessante e com um conjunto quase único no Brasil compõe uma bela paisagem, que pode ser admirada a partir do topo de uma das elevações de frente para a borda ao sul. Melhor ainda se tiver a sorte, como tivemos, de estar neste lugar em noite de lua cheia.

Além do visual espetacular, também vale a pena passar algumas horas na Fazenda Sthur, tomar um cafezinho com o casal de pomeranos, remanescentes da extinta Pomerânia e ouvir as histórias da formação da comunidade, luta pela preservação dos costumes e da natureza.

Para mais fotos, acessar pelo link Monumento Natural dos Pontões Capixabas. Vale pela beleza e curiosidade.

 


 

RPPN VALE DAS ARARAS – CAVALCANTE/GO

Depois de passar alguns dias na Terra Ronca, nordeste de Goiás, iniciamos nosso retorno para casa passando pela reserva e pousada e RPPN Vale das Araras, em Cavalcante-GO. Exemplo de sustentabilidade e respeito ao meio ambiente, a reserva conta com trilhas muito bem cuidadas, com uma delas levando até à bela cachoeira de São Bartolomeu. No percurso das trilhas, vários pontos de observação de pássaros que nidificam na área da reserva. Várias coisas nos chamou a atenção neste lugar (precisamos voltar com mais tempo), mas a questão do respeito ao meio ambiente foi maior: um pequeno exemplo de como é fácil colaborar com a saúde e bem estar das pessoas sem agredir o meio ambiente: fornecem água potável e filtrada (mesmo que seja captada em poço da própria reserva), nos permitindo beber o que nos é mais precioso e necessário para nosso organismo, sem precisar utilizar as famigeradas águas engarrafadas em plástico. Parabéns ao Richard pela iniciativa e que se torne exemplo e seja copiado por todos.

RPPN 1RPPN 2RPPN 3

Mais algumas fotos pela passagem deste belíssimo lugar, ver no link RPPN Vale das Araras – Cavalcante/GO.

 


CACHORRO-DO-MATO VINAGRE (Speothos Venaticus) CACHORRO-DO-MATO-VINAGRE - SPEOTHOS VENATICUS

No dia 24 de dezembro de 2013, levantamos cedo para passarinhar. Estávamos em nosso sítio, localizado a apenas 15 km de Alta Floresta (MT), já na região amazônica. Trata-se de uma pequena área, formada predominantemente por mata secundária preservada e em recuperação, cercada por pastos e plantações.

Caminhávamos ao longo da estrada de acesso, distraídos com um pequeno bando de tizius, quando a Silvia me chamou a atenção para o que me pareceu à primeira vista, três cachorros. Olhando atentamente com o binóculo, pudemos constatar que não eram animais domésticos e procurei registrá-los da melhor maneira possível, embora estivessem relativamente afastados. nos pareceu ser uma família, pois um deles parecia ser menor, podendo ser um filhote.

Eles correram rapidamente atravessando a estrada, entraram em uma plantação de milho, retornando alguns minutos depois para, em seguida, retornarem para a mata. De imediato não conseguimos identificá-los, mas depois com a ajuda dos nossos genros Eduardo e Rodrigo, ambos biólogos, foram identificados como Cachorro-do-mato Vinagre (Speothos Venaticus).

De hábitos noturnos, são raramente visto, principalmente em plena luz do dia. Sabemos que existem vários projetos em universidades para localizar e identificar esta espécie pelo Brasil e, devido às grandes alterações das matas nativas, estão cada vez mais difícil encontrá-los. Conversando depois com nossos vizinhos, agricultores que estão lá há muito tempo, nos informaram que nunca tinham avistado esses animais. De fato fomos privilegiados. Um verdadeiro presente de Natal!


ATACAMA E SALAR DE UYUNI

Atacama e Salar de Uyni– A travessia pelo salar de Uyuni é indescritível. Transita-se por um mar de sal, com alguns trechos com uma camada bastante fina de água, onde formam-se desenhos belíssimos.

– O contraste é muito grande entre os belos hotéis e a precariedade da cidade. Mas não se impressione, pois a partir deste lugar pode-se conhecer lugares espetaculares como os Geiseres de Tatio, Vale das sete cores, lagunas altiplânicas e o próprio deserto de Atacama.

– Não se limite a ir direto para os pontos turísticos: aproveite cada instante no percurso de ida e volta (as paisagens diferem-se a cada ponto de vista); observe a fauna e flora, com características bastante peculiares da região.

– Para se chegar até o salar foram praticamente dois dias de viagem, com muitas paradas pelo caminho. Nem precisa dizer que a imagem é de tirar o fôlego e ficar hospedado em um hotel de sal com a vista para todo o salar foi um presente especial. Leia mais…

PERÍODO DA VIAGEM: Outono – de 29 de abril a 8 de maio de 2011.CLIMA: O clima é extremamente seco com temperaturas nesta época variando de -12°C a noite (de madrugada saindo para o Gêiser del Tatio) chegando a quase 30°C durante o dia.

Anúncios

Responses

  1. i am always learning new things with your blog this is very good.


Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: